Energy2Drive

Conselhos cheios de energia para
uma melhor performance do seu negócio
e mais segurança na estrada.

Galp

Uma Conferência, 29 Tendências

6.12.2018 por Filipe Augusto Santos

Uma Conferência, 29 TendênciasNa conferência "10 anos a antecipar o Futuro", ficámos a conhecer as 3 macrotendências de Marketing para os próximos anos, apresentadas pelo Professor Luiz Moutinho:

  

Uma Conferência, 29 Tendências

Sensor Technology

1. Sensorconomy
Estima-se que a utilização de sensores venha a crescer 700.000% até 2030, para ajudar a resolver praticamente todas as necessidades e desejos do ser humano, desde os sapatos inteligentes até aos dispositivos capazes de matar células cancerígenas.

2. Public Data and Urban Sensors
A possibilidade de conhecer melhor a circulação e os espaços públicos. Sensores fixos que podem detetar dados sobre a poluição e as condições meteorológicas, por exemplo. Além disso, objetos pessoais transmitirão informação em tempo real sobre as "pegadas" deixadas por outros utilizadores, como as viagens que fazem, a atividade nas redes sociais, a música que ouvem no iTunes ou os livros que pesquisam na Amazon.

3. Smart Home Sensor Networks
A natureza ubíqua dos cada vez mais pequenos sensores wireless e os rápidos avanços da tecnologia de redes wireless estão a revolucionar a monitorização e a segurança domésticas. Os novos meios e métodos de recolha eficiente de dados originaram aplicações inovadoras para as redes de sensores domésticos.

4. 3D Image Sensing by Recognizing the Tiniest Gestures
Tecnologia de pequenas dimensões para deteção visual de baixo custo e reduzido consumo de energia que captura dados visuais ricos em informação com recurso a uma forma revolucionária de sensores óticos.

5. The Tactile Revolution
O aparecimento de uma nova geração de produtos e marcas de cosmética, saúde e beleza que apelam para os estados de espírito, maneira de ser, emoções e sentimentos dos utilizadores para criar visuais adequados a cada indivíduo.

6. Senseperiences
Novas soluções para a criação de touchpoints com as marcas nos pontos de venda, capazes de influenciar o comportamento do consumidor com propostas inovadoras e marcantes, envolvendo sensores que detetam o seu estado de espírito para oferecer experiências sensoriais.

7. Haptic Screens
Os Tixels, ou Tactic Pixels, são uma nova tecnologia que permite ter, ao tocar em ecrãs, sensações tácteis, simulando por exemplo humidade e textura através de vibrações e campos elétricos.

8. Wearable Senses
Estão em desenvolvimentos novas soluções tecnológicas que permitem que as roupas que envergamos se adaptem, em tempo real, ao nosso estado de espírito e à situação em que estamos, alterando cores e designs de uma forma automática.

9. Wearable Sensors
Um conjunto de pequenos sensores que detetam as propriedades físicas e químicas do corpo do utilizador e do ambiente em que está integrado, utilizando esses dados para alimentar um algoritmo capaz de transmitir informação relevante. Estão a ser usadas, até, soluções de tatuagens com sensores integrados.

10. Smart Fabrics
Sensores integrados nas roupas permitem que estas se adaptem e respondam aos estímulos ambientais, que podem ser, por exemplo, térmicos, químicos, mecânicos, elétricos e magnéticos, para se tornarem mais cómodos e práticos. Estão em estudo, entre outras soluções, luvas que aplicam doses de vitaminas ou que têm telemóveis integrados e calças que avisam quando engordamos.

11. Interactive Fabrics
Uma simples camada de tecido pode ter um teclado integrado para controlar o nosso smartphone, graças ao sistema capacitive sensing. Há já alguns exemplos interessantes, como o blusão da KENPO, com leitor de MP3 integrado, ou as calças da Levi's, dotadas de um iPod.

 

Uma Conferência, 29 Tendências

Chatbots

12. The end of ads... or the dawn of new ads?
Irão os chatbots ditar o fim da publicidade? Surgirá uma nova forma de publicidade, mais interativa, resultante da conversa entre o ser humano e os chatbots?

13. Chatbots in Customer Service
Combinando o progresso da Natural Language Optimization (NLO), com a geração de voz feita pela inteligência artificial e a tecnologia sem servidores, os serviços ao cliente caminham para se tornar totalmente automatizados, dispensando a presença humana.

14. Robotization of chatting
A cada vez maior perfeição dos chatbots, que se humanizam e aprendem em cada contacto, abre portas a robots de aspeto quase humano, em miniatura ou tamanho real, capazes não apenas conversar mas também de analisar emoções e de fazer companhia.

15. The rise of conversational bots
Empresas como a Acquire começaram já a trabalhar em "marketing conversacional" para auxiliar pequenas empresas a libertarem-se das minutas para as conversas com os clientes, recorrendo a chatbots com inteligência artificial. Além disso, diversas empresas começaram a desenvolver experiências personalizadas para os seus utilizadores com recurso aos websites conversacionais.

16. Chatbots becoming more human-like
Os chatbots estão a invadir os mais diversos setores de atividade. Depois dos bots nativos (como a Siri, da Apple), estão a ser oferecidas, em outsourcing, soluções para facilitar o contacto das empresas com os seus clientes. Por exemplo, já pode pedir um Uber usando a aplicação do Facebook Messenger.

17. Voice experiences becoming mainstream
Diversas empresas estão a criar soluções de "conversadores inteligentes", para facilitar o contacto com os clientes, como o Echo da Amazon (que já conta com mais de 20 mil funções) ou o assistente da Google. Por outro lado, há diversas start-ups que propõem a criação em outsource de soluções de chatbots que permitam às empresas um contacto verbal permanente com o público.

18. The virtual assistant takes place of apps
O uso de apps está a cair rapidamente, afectando a economia de um sector que parecia solidamente em expansão. Os utilizadores desinstalam as aplicações que não usam e mantêm apenas as que lhes são úteis, ao mesmo tempo que usam chatbots para contactar com o seu banco ou para receber as notícias. A grande vantagem dos assistentes virtuais é poderem combinar diversas aplicações numa só. Os chatbots automatizam diversas tarefas da empresa e contribuem para melhorar a experiência do consumidor.

 

Uma Conferência, 29 Tendências

Artificial Intelligence

19. Forward Artificial Intelligence
Backwards Artificial Intelligence Vs Forward Artificial Intelligence. A Forward Artificial Intelligence baseia-se não onde estivemos, mas para onde queremos ir. 

20. AI Vs Human Assisted AI (Hybrid AI)
Quando as empresas utilizam uma hibridação de inteligência artificial e de equipas humanas, ambos os lados da equação ficam mais disponíveis para fazerem aquilo que fazem melhor. A tecnologia liberta os seres humanos para se focarem na voz e na linguagem da marca, enquanto as equipas deixam à Inteligência Artificial a pesquisa e descoberta das melhores oportunidades, com as melhores estratégias para ganhar novos negócios.

21. A Tactical Approach to AI
O modelo Tactical Artificial Intelligence baseia-se na combinação de três tipos de aprendizagem por parte da máquina: a aprendizagem profunda (DL – deep learning), a aprendizagem reforçada (RL – reinforced learning) e a aprendizagem baseada no inesperado (SBL – surprise-based learning). Enquanto as duas primeiras necessitam de uma enorme capacidade de computação para poderem anular (un-learning) ou refazer (re-learning) processos de aprendizagem, com a inclusão do SBL torna-se possível detetar tendências inesperadas ou anómalas sem necessidade de un-learning nem de re-learning.

22. Conversational AI
Quando os computadores aprenderem a falar linguagem humana, todos os seres humanos poderão conversar com os computadores. Os sistemas de Conversational AI são computadores com os quais as pessoas podem interagir através de uma conversa, a forma mais natural de interação dos seres humanos. De forma breve, é o que nos permite falar com tecnologias baseadas em sistemas de voz, como a Siri da Apple ou a Alexa da Amazon, perguntando-lhes como está o tempo, encomendando compras online ou até chamar um táxi, usando apenas a linguagem que falamos.

23. AI in Marketing Today
O recurso à Inteligência Artificial no marketing abre novos horizontes em matéria de entusiasmo e excitação, sem exigir demasiado em termos de implementação. Atualmente, os marketers não estão preparados para lidar com os cada vez mais abundantes big data, transformando-os em informação relevante. Com recurso à Inteligência Artificial, as máquinas passam a poder resolver problemas e tomar decisões de formas que emulam a inteligência humana.

24. Hot to Connect Your Business in the World of Semantic Search
A busca semântica tem como objetivo melhorar a precisão das pesquisas através da compreensão das intenções do utilizador e do significado contextual dos termos que utiliza quando procura, para gerar resultados mais relevantes. Os sistemas de pesquisa semântica consideram diversos fatores, incluindo o contexto da busca, a localização, a intenção, a variação de palavras, os sinónimos, as questões genéricas ou especializadas, e as perguntas em linguagem natural. As empresas que saibam posicionar-se para tirar partido destas pesquisas ganham uma posição de relevância no mercado.

25. The Many Faces of AI for Marketing
São muitas as áreas em que a utilização da Inteligência Artificial pode ser útil ao marketing. Senão, vejamos: Marketing Intelligence, geração de leads, publicidade gerada por AI, otimização de campanhas, tecnologia de call-center, bots e assistentes virtuais, interfaces de pesquisa mais inteligentes, sistemas de recomendação, criação de conteúdos e, em última instância, construção de marca.

26. The Rise of AI in Advertising
São diversas as formas através das quais a Inteligência Artificial está a transformar a publicidade, nomeadamente:

  • Machine Learning: Permite analisar rápida e eficazmente um enorme fluxo de dados para prever ações como cliques e envolvimento
  • Segmentação: Através da programação neurolinguística pode compreender-se aquilo que mil milhões de utilizadores estão a consultar em tempo real;
  • Thompson Sampling: Método de selecionar automaticamente estratégias de bidding, para melhorar a performance das campanhas;
  • Previsão de Idade/Género;
  • Previsão de Cruzamento de Dispositivos.

27. Visual Sentiment Ontology
Esta solução permite:

  • Prever os sentimentos ao compreender os conteúdos visuais (com recurso a métodos avançados de deep learning);
  • Incluir a Visual Sentiment Ontology e o SentiBank (conceitos ligados à emoção, reflete sentimentos fortes, são frequentes no Flickr e no YouTube, razoável deteção de performance)

28. Forms of AI in Social Media
Existem já diversos exemplos da presença da Inteligência Artificial nos Social Media, como os bots, a análise de sentimentos humanos, a identificação de imagens, voz e localização, a realidade aumentada e a realidade virtual.

29. Human Recognition AI
Este sistema reconhece e interpreta dados humanos em tempo real, como por exemplo a forma do corpo e as suas ações, que depois geram no ecrã conteúdos capazes de responder aos utilizadores e criar experiências interativas únicas.

Conheça o Marketing FutureCast Lab

Tópicos: Galp, Marketing FutureCast Lab, Marketing FutureCast Lab 2018, Tendências 2019

Filipe Augusto Santos

Publicado por Filipe Augusto Santos

Apaixonado pelo trabalho, e um verdadeiro entusiasta da cultura automóvel. Para este profissional, fazer todo-o-terreno para fugir à rotina citadina é um must-do! Quando o trabalho de gestor de marketing o permite, contribui para o blog Energy2Drive.

Comentários com utilização de linguagem abusiva ou ofensiva não serão publicados.

Subscreva o nosso blog

Deixe-nos a sua sugestão de tema!

Artigos do Blog

Recent Posts

New Call-to-action

Download App Galp EvoDriver